Happiness Academy Online

A Blog about Psychology (Jungian), Spirituality and Happiness, By Roberto Lima Netto.

Myths of the World – Icarus, the Sun Lover

Myths of the World – Icarus

(Clique para português)

We will start our series of discussion of world myths with the theme of hubris, a Greek world that means exaggerated pride or self-confidence. There are times in our life that we feel we are like gods, that we are a semi god, capable of fears well above our normal capabilities. Let’s beware! Our first myth – Icarus – will teach us why.

What follows in an excerpt of my book The Little Prince for Grownups, where I made an interpretation of St Exupery famous work.

****

Icarus, the Sun Lover

The Wise Old Man started his story. “Daedalus was an Athenian. He had problems in his city and fled, seeking asylum in the Island of Crete, ruled by King Minos.”

“What problems did he have?” the Little Prince asked, out of his insatiable curiosity.

“He was a famous architect and sculptor, the most important in all of Greece. However, Talus, his sister’s son, and a disciple of Daedalus himself, began to show a bigger talent. Envious of the genius of the boy, Daedalus killed him. When his crime was discovered, for which he would have been sentenced to death, he fled to the Island of Crete, taking with him his young son, Icarus.”

“And he wasn’t arrested?”

“King Minos welcomed him with wide open arms, as his fame as a great architect had already preceded him to the island. By order of the king, Daedalus built a labyrinth.”

“Was that the maze?” the Little Prince asked, always loving the stories of the Wise Old Man, yet always interrupting with questions.

“It was a palace full of hallways and fake paths. They said that whoever went inside never got out.”

“What was the advantage of having a palace that no one could get out of?”

“It’s a long story. Minos, the king of Crete, had promised Poseidon, god of the Seas, that, in order to honor him, he would sacrifice the first animal that was born in the island. Poseidon then sent him a beautiful white bull from the deep ocean. Minos, seeing the beauty of the animal, did not keep his word, as he wanted to use the bull as the father of his flock.”

“Fooling the gods again?” the Little Prince said. “This never ends well. Prometheus knows the consequences.”

“Poseidon decided to punish Minos, making his wife fall in love with the bull, and from their union was born the Minotaur, a monster with the upper body of a human and lower body of a bull. To hide his shame, the king asked Daedalus to build the maze. The monster stayed locked in this palace, feeding on human beings who were sent as sacrifices, and left in the labyrinth that they did not know how to leave.”

“And none of them killed the monster?” asked the Little Prince.

“Wait. Keep your curiosity for a minute. That is the story of Theseus. Let me tell you the story of Daedalus and his son Icarus, so I can explain the meaning of hybris.”

“Sorry, sorry.”

“Daedalus, after living a few years in Crete, decided to go back to Athens. He probably thought that his problem with the justice in his city had already been forgotten. But, despite the great admiration Minos had for him, or maybe because of that, he was not allowed to leave the island.”

“Good for him. He merits his prison. Bad character. He should not have killed his nephew,” said the Little Prince.

The Wise Old Man continued. “Daedalus, a creative artist, after carefully studying the flight of birds, built wings for himself and for Icarus, using bird feathers that were abundant in the island, and gluing them together with wax. With these wings, they were able to fly and leave the island. In the middle of the ocean, Icarus, stirred about his power to fly, decided to go up to the sun. That is hybris.

“Do you think he wanted to be the owner of the sun?” the Little Prince asked. “Like the king I found in space? It would’ve been better if he was less ambitious, and had chosen an asteroid like mine. So many empty places in the sky!”

The Wise Old Man continued, “The heat of the sun melted the wax that glued the feathers together, and Icarus fell, drowning in the sea.”

“In a way, justice was done. Daedalus killed Talus, his sister’s son, and had his own son killed by the gods,” the Little Prince said.

After telling the story, the Wise Old Man suggested that we called Icarus to our gathering. In less than a second, he was there with us. After the usual introductions, Icarus spoke. “I know that you are all criticizing me. It is always like that. Nevertheless, I want to remind you that this episode occurs in every human being’s life. My punishment—death—was drastic, because Zeus wanted to use me as an example.”

“How can you speak with such certainty that every human goes through this situation?” I asked.

“You, for example,” he said as he looked at me. “How many times did you feel you were better than others? How many times did you think, even if for a brief moment, that you could do everything? How many times did you think you were a semi-god? And how many times were you disappointed after that? If you make an examination of your conscience, I am sure you’ll find no lack of times in your life when you did what I did—got close to the sun in a metaphorical way. You thought you were a semi-god, and got burned.”

Icarus paused for a second, then continued, “Let’s say that I felt as you felt, with the success of your last book. Like the owner of the world. I just wanted the sun.”

I thought about it for a while, and I had to agree with Icarus. The great success of my books gave me a feeling of power. I even dreamed that I could stop the war, that I could convince the Americans to join Europe’s struggle.

The Wise Old Man interrupted my musings. “However, this is a temporary state. Soon enough, one is burned by the sun, and suffers for its hybris.”

“Or drowns in the sea,” said Icarus, laughing.

After giving me time to absorb those teachings, Icarus said farewell, picked up his wings, and was preparing to fly, when the Little Prince asked, “Are you not afraid of flying?”

“Life is an eternal school. I don’t fly close to the sun anymore.”

****

What is the psychological (Jungian) interpretation of this famous story? What immediately comes to mind is inflation. Icarus is inflated, thinking that he can do feats that only gods can do. This state is accentuated on persons suffering from bipolar disorder in the maniac phase, but is not uncommon in the lives of normal human beings. Sometimes we think we are invincible.,

One of the archetypes that lives in our collective unconscious is the hero. Extensive studies exist about this archetype. Joseph Campbell, the great mythologist and Jungian, wrote one of the most important works on the theme: The Hero with a Thousand Faces.

In an extreme situation, the hero may constellate and dominates our ego. We think we are gods. At least, semi gods. In such occasions, we take unnecessary risks, exposing ourselves to undesirable defeats.

The Ancient Greeks recommended that we choose the middle way. In Icarus’ case, not flying too close to the sea nor to the sun.

We should meditate upon this advice every time we decide to choose a risky path. But keep in mind that sometimes we have to be a hero to grow in life.

I am Roberto Lima Netto, and I believe that our objective in life is to be happy and that Spirituality and Jungian psychology, my main areas of interest, can help us in this search for happiness. I am a writer. Some of my books are “The Little Prince for Grown-ups“, “The Jungian Bible“, “The Amazon Shaman” and “In Search of Happiness“. I invite you to visit my blog and leave your comments at:  www.HappinessAcademyOnline.org.

****

Versão em português

Vamos começar a nossa série de discussão sobre mitos mundiais com o tema da arrogância, hubris, uma palavra grega que significa auto-confiança ou orgulho exagerado. Há momentos em nossa vida em que nos sentimos como deuses, pelo menos um semi deus, capaz de tomar riscos bem superiore as nossas capacidades normais. Devemos tomar cuidado! Nosso primeiro mito – Ícaro – vai explicar a razão.

O que se segue é um trecho do meu livro O Pequeno Príncipe para Gente Grande, onde fiz uma interpretação do famoso livro de Saint Exupery.

****

Ícaro, o dono do sol

O Velho Sábio começou sua estória:

-Dedalus era ateniense. Teve problemas em sua cidade, e fugiu, buscando asilo na ilha de Creta, governada pelo Rei Minos.

-Qual foi o problema que ele teve? Perguntou o Pequeno Príncipe, com sua curiosidade insaciável.

-Ele já era um arquiteto e escultor famoso, o mais importante da Grécia. Porém, Talus, filho de sua irmã, e discípulo do próprio Dédalus, começou a desenvolver um talento maior ainda do que o dele. Reconhecendo o gênio do rapaz, morrendo de inveja, Dédalus o matou. Descoberto seu crime, pelo qual iria ser condenado a morte, fugiu para a ilha de Creta.

-E não foi preso?

-O rei Minos o recebeu de braços abertos, pois sua fama de grande arquiteto já havia se espalhado até a ilha. Por ordem do rei, Dédalus construiu o labirinto.

-O que era o labirinto? Perguntou o Pequeno Príncipe, que adorava ouvir as estórias do Velho Sábio, mas que sempre o interrompia com perguntas.

-Era um palácio cheio de corredores e caminhos falsos. Dizem que, quem lá entrava nunca mais conseguia sair.

-Qual era a vantagem de ter um palácio de onde não se podia sair?

-É uma longa estória. Minos, rei de Creta, havia prometido a Poseidon, Deus dos mares, que sacrificaria em sua honra o primeiro animal que nascesse em sua ilha. Poseidon mandou-lhe então, saído o fundo do oceano, um touro branco, lindíssimo. Minos, vendo a beleza do animal, não cumpriu sua palavra, pois queria usá-lo para ser o reprodutor de seu rebanho.

-Enganar os Deuses? Disse o Pequeno Príncipe. Vai se dar mal. Prometeu que o diga.

-De fato, Poseidon resolveu castigá-lo, fazendo com que sua esposa se enamorasse do touro e, da união os dois, nasceu o Minotauro, monstro com cabeça de gente e corpo de touro. Para esconder sua vergonha, o rei mandou Dédalus construir o labirinto. O monstro ficava preso nesse palácio, e se alimentava de seres humanos, levados em sacrifício, deixados no labirinto de onde não conseguiam sair.

-E nenhum deles matava o monstro? Perguntou, mais uma vez o Pequeno Príncipe.

-Calma, essa é a estória de Teseu. Deixe-me contar a de Dédalus e seu filho Ícaro, para explicar o significado de “hybris” . Dédalus, depois de viver alguns anos em Creta, resolveu voltar para Atenas. Provavelmente julgava que seu problema com a justiça de sua cidade já houvesse sido esquecido. Mas, apesar da grande admiração que o rei tinha por ele, ou talvez por causa disso, não lhe era permitido deixar a ilha de Creta. Dédalus, um artista criativo, depois de estudar com cuidado o vôo dos pássaros, construiu asas para si e para Ícaro, usando penas de pássaros, que abundavam na ilha, e colando-as com cera. Com elas, puderam voar, e deixar a ilha. No meio do oceano, Ícaro, entusiasmado com seu poder de voar, (hybris) resolveu subir até o sol.

-Será que ele queria ser dono do sol? Perguntou o Pequeno Príncipe. Melhor seria se fosse menos ambiciosos, e tivesse escolhido um asteróide como o meu. Tem tantos vazios no céu!

O Velho Sábio continuou:

-O calor derreteu a cera que prendia as penas e Ícaro caiu, morrendo no mar.

-Em certo sentido foi feita justiça. Dédalus matou Talus, o filho de sua irmã, e teve seu próprio filho morto pelos Deuses, disse o Pequeno Príncipe.

.Depois de contar a estória, o Velho Sábio sugeriu que chamássemos Ícaro para a nossa roda. Em menos de um segundo ele estava entre nós. Depois das apresentações de praxe, Ícaro falou:

-Já sei que vocês estão me criticando. É sempre assim. Porém, quero lembrar a vocês, que isso ocorre na vida de todo ser humano. Meu castigo, a morte, foi maior, porque Zeus queria me usar como exemplo.

-Como você pode dizer com tanta certeza que todo ser humano vive essa situação? Perguntei.

-Você, por exemplo, disse ele olhando para mim. Quantas vezes você se sentiu melhor do que todos os outros? Quantas vezes você achou, ainda que por um breve instante, que você podia tudo? Quantas vezes achou que era um semi-deus? E quantas vezes você teve decepções por causa disso? Se fizer um exame de consciência, tenho certeza de que não faltaram ocasiões em sua vida quando você fez o que eu fiz, chegou mais perto o sol. Achou que era um semi-deus, e se queimou.

Ícaro fez uma pausa e continuou:

-Digamos que eu me sentia como você se sentiu, com o sucesso de seu último livro. Dono do mundo. Eu só queria o sol.

Pensei um pouco, e tive que concordar com Ícaro. O grande sucesso de meus livros me davam essa sensação de tudo poder. É verdade que era uma situação passageira — bem depressa eu quebrava a cara.

Depois de me dar tempo para absorver aqueles ensinamentos, Ícaro se despediu, pegou suas asas e já se preparava para alçar vôo, quando o Pequeno Príncipe lhe perguntou:

-Você não tem medo de voar?

-O homem vem nessa vida para aprender. Eu não vôo mais perto do sol.

Depois que Ícaro se retirou, o Velho Sábio voltou a falar:

-Os mitos que simbolizam o processo de separação falam de queda, de exílio, de tortura perpétua ou de ferimentos que não se curam. Para que este estado doloroso seja curado, o ego tem que se afirmar, adquirir mais consciência. O homem tem que se tornar um indivíduo, sem perder, no entanto, a ligação com o Self. Já conversamos sobre dois mitos: o Jardim do Éden, que teve sua origem no Oriente Médio, e o mito grego de Prometeu. Quero lhe contar um outro mito, de região completamente diversa. Um mito dos índios da América do Norte.

-Conta, conta, falou o Pequeno Príncipe pulando e batendo palmas.

-Os povos antigos viviam debaixo da terra, perto de um lindo lago. Certa vez, uma grande vinha cresceu sobre seu lar. Uma raiz da vinha chegou até a vila do povo subterrâneo. Alguns dos mais corajosos escalaram a vinha até o mundo superior.

-Mas isso não é queda, é subida, falou o Pequeno Príncipe.

-É busca de luz, do fogo, da consciência, disse eu, querendo mostrar ao Velho Sábio que estava entendendo tudo. O simbolismo é semelhante.

-Quando esses exploradores voltaram, contaram para seu povo que o mundo lá de cima era mais bonito do que poderiam imaginar. Cheio de luz. Tinha também peixes, animais e lindas flores. Na mesma hora, várias pessoas começaram a subir a vinha. Todas queriam chegar ao novo mundo.

-E a raiz agüentou esse peso todo?

-Quando uma mulher obesa começou a subir, a raiz arrebentou, deixando metade do povo no subsolo, onde eles permanecem até hoje. Dizem os índios que, quando morremos, nos reunimos com nossos primos sob a terra.

-O Deus dos índios deve ser melhor que Yahweh. Pelo menos não os puniu por buscar a luz, disse o Pequeno Príncipe.

Depois de uma pausa o Velho Sábio continuou: -Mais uma vez temos, em um mito de uma civilização completamente diferente, a imagem da queda, que no caso é uma subida para a consciência, para a luz. O homem sai das trevas do subsolo para a luz, para a consciência. O homem sai da inconsciência e atinge a consciência.

Eu estava cansado, depois de um dia duro de trabalho. Dormi pensando nos mitos de tomada de consciência. Por que a vida do homem tinha que ser tão sofrida?

****

Qual é a interpretação psicológica (junguiana) desta famosa história? O que vem imediatamente à mente é a inflação. Ícaro está em estado de inflação, pensando que ele pode fazer proezas que só os deuses podem. Este estado é acentuado em pessoas que sofrem de transtorno bipolar na fase maníaca, mas não é incomum na vida de seres humanos normais. Às vezes, pensamos que somos invencíveis.,

Um dos arquétipos que vive em nosso inconsciente coletivo é o herói. Amplos estudos existem sobre este arquétipo. Joseph Campbell, o mitólogo grande e junguiana, escreveu uma das obras mais importantes sobre o tema: O Herói de Mil Faces.

Em uma situação extrema, o herói pode constelar e domina o nosso ego. Nós pensamos que somos deuses. Pelo menos, semi deuses. Em tais ocasiões, corremos riscos desnecessários, expondo-nos a indesejável derrotas.

Os gregos antigos recomendavam sempre escolher o caminho do meio. No caso de Ícaro, não voar muito perto do mar, nem do sol. Devemos meditar sobre este conselho cada vez que decidir escolher um caminho arriscado.

Uma última recomendação. Cuidado com o sempre. Algumas vezes, temos que ser heróis

I was involved in the business world, as an executive of large companies and university professor since recently. I was the president CSN, the largest steel-mill of Latin America and was responsible for its turn-around. My first encounter with the teachings of the Swiss psychologist C. G. Jung, one of the greatest geniuses of the 20th Century, was during my midlife crisis. Reading "Man and his Symbols" at that time, inspired me to go into Jungian analysis and to begin devouring the writings of Jung and his disciples. Since then, I've been studying psychology, especially Jungian psychology and, after reaching my seventies, I decided to become a full time writer, specializing on books on Jungian psychology and psychological thrillers. Every masterpiece of literature can be absorbed through multiple interpretations, and yield powerful insights for our daily lives. My first Jungian book, “The Little Prince for Grown-ups“, in its fourth edition in Brazil, was based on the famous book of Saint-Exupéry. The second, - “The Jungian Bible” - interprets some stories of the Old Testament and world myths. As I get older and, with a bit of luck, wiser, I want to pass on to the younger generations the lessons life has taught me. Jesus Christ taught that it was easier to sell ideas with stories. Following the Master, I published in English "The Amazon Shaman" and "In Search of Happiness", two psychological thrillers around the theme of happiness.

1 Comment

Add a Comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Happiness Academy Online © 2013 Frontier Theme